terça-feira, 21 de julho de 2009

O PENSAMENTO PRIMITIVO AINDA EXISTE NO SÉCULO 21


Apesar de dono de um cérebro superior ao dos outros animais, o ser humano tende a se manter apegado ao ideário primata, ao pensamento primitivo, sem perceber a peça que lhe prega o próprio intelecto. Temos habilidades que os outros seres não possuem, mas perdemos algumas que eles mantêm, e, por conta disso, somos impedidos de aproveitar melhor a nossa vida. O que chega a ser cômico é o nosso mundo civilizado achar que suas superstições são mais razoáveis do que as dos silvícolas.

Não temos um olfato que nos capacite a perseguir um inimigo como faz o cachorro; nem somos capazes de dar a volta ao mundo sem bons conhecimentos geográficos e bússolas como fazem algumas aves. Para vencer a resistência do ar, criamos máquinas adequadas, enquanto os pássaros voam com seus próprios membros. Todavia, donos de tantos inventos para superar as nossas deficiências perante os animais inferiores, ainda acreditamos que nossos instintos de sobrevivência sejam tentações de algum diabo. Acreditamos que anjos da guarda nos protegem. Cremos que se satisfizermos nossos desejos e instintos seremos enviados para um lago de fogo, o inferno, onde iremos arder eternamente. Tudo isso por obra de um deus onipotente, o qual, ainda que submeta suas criaturas a um castigo infinito e interminável, continua a ser considerado perfeito, justo e bom.

Lembro de uma reportagem apresentada pelo programa Globo Repórter em que os índios amazônicos praticavam rituais nos quais acreditavam ter poder de afugentar os maus espíritos das florestas. Aos olhos de um cristão deste século 21, essas práticas místicas dos indígenas não são mais do que fruto de seu primitivismo, pois espíritos das florestas não existem, são coisas imaginárias criadas pela fértil imaginação dos índios. Concordo com os cristãos crentes e católicos civilizados. Concordo! Espíritos das florestas são criações da imaginação inculta. Porém, agora eu pergunto: os cristãos deste século 21 e que se dizem cultos têm alguma prova da existência de outras entidades sobrenaturais? Se não há qualquer fundamento para se acreditar na existência dos espíritos da floresta, existe alguma base mais sólida do que a imaginação para crer na existência dos anjos da guarda? E no diabo? E no deus cristão? Alguém já viu o diabo? Jamais encontrei qualquer indício desses seres imaginados. Concluo, portanto, que nenhum cristão tem mais razão do que os índios.

Quando o homem criou, em épocas remotas, a crença de possuir uma alma imaterial e independente do corpo, buscava explicar o sonho. Só isso. Os nossos antepassados mais antigos não perceberam que se os sonhos fossem atos de supostos espíritos, cada vez que alguém sonhasse com uma pessoa essa pessoa teria inevitavelmente o mesmo sonho. Mas isso não acontece. Se os antigos habitantes da Terra interpretavam os trovões e os ecos das próprias vozes como as vozes dos deuses, mostravam apenas que não conheciam os fenômenos naturais. As pessoas com deficiência mental, os loucos melhor dizendo, eram consideradas endemoninhados (possuídos pelos demônios), porque faltava aos nossos antepassados uma melhor compreensão do complexo mecanismo cerebral.

Nos dias atuais, quando todos esses mistérios já deixaram de ser mistérios, ainda se fala, apoiando-se na tese de Santo Agostinho, que tais coisas complexas da natureza não podem ter nascido por acaso. E ainda se diz que isso é prova suficiente da existência de um criador supremo. Conheci esse argumento quando era criança. Mas o meu cérebro infantil conseguiu a capacidade de entender como essa premissa é inútil. Pensei assim: de onde não pode provir o simples pode surgir o complexo? Se do acaso não pode surgir a criatura, poderia dele surgir o criador supremo? Se todas essas coisas só podem ter sido feitas por um poderoso e sábio criador, esse criador deve ter sido criado por outro superior a ele. Consequentemente, o criador do criador também teria que ter seu criador, e este o seu, em uma corrente infinita, um círculo vicioso que jamais acabaria. E o mais interessante, se pode existir um “criador incriado”, por que coisas simples da natureza não podem existir sem um ente criador?

Convenhamos, a evolução dos seres vivos é inegável. Isso nós percebemos na modificação dos vírus e bactérias e no desenvolvimento de novos tipos de resistência, tal como ocorre nos insetos. Se os fósseis encontrados pelos arqueólogos apresentam organismos tão mais simples quanto mais distantes estiverem no tempo, não há como continuarmos apegados à idéia de que tudo foi criado por um deus onipotente há seis mil anos, cada um segundo a sua espécie.

Sabe-se que antigamente a chamada palavra de deus afirmava que o sol percorre o céu, “de uma a outra extremidade do céu vai o seu caminho”; que as estrelas cairão do firmamento "pela terra como a figueira, quando abalada pelo vento forte, lança seus figos verdes". Hoje percebemos e sabemos que o sol é apenas uma estrela com alguns planetas a circular em torno dele, entre eles a Terra. Sabemos que as estrelas são milhares e milhões de vezes maiores do que a Terra, sendo impossível que caiam sobre ela. Dessa forma só podemos concluir que essa palavra tão venerada que chama de deus, não passa de uma idéia humana nascida numa época muito antiga. Portanto, cristãos, muçulmanos, judeus ou quaisquer outros, não têm mais razão do que os selvagens que acreditam nos chamados espíritos das florestas. Infelizmente, o pensamento primitivo continua ditando as regras para as mentes da maioria das pessoas. E em pleno século 21.

2 comentários:

Pastora disse...

Caro Rafael

Encontrei agora este seu artigo. Os seus argumentos são razoáveis e conhecidos.Suponho que serão os argumentos que qualquer indivíduo dotado de razão tem de ultrapassar,para afirmar que acredita num Deus original.
Essa forma de raciocinar não é exclusiva de poucos (os mais inteligentes e civilizados), ela tem acompanhado a humanidade e vai continuar a fazê-lo, tal como a contrária, justamente porque nenhuma delas é irrefutável.
Mas algo é irrefutável - formamos um todo e qualquer modificação de uma parte tem efeito sobre o todo. "O bater de asas de uma borboleta em Tóquio pode provocar um furacão em Nova Iorque."Eduard Lorenz
É um todo inteligente que nós homens não conseguimos compreender inteiramente e é por isso que aí colocamos Deus. Deus com predicados abstractos e existencia abstracta mas que significa a inter-relação de tudo ou o Amor.
Que lhe parece ?
Pastora

Bruna Carolina disse...

Se esse tal "Deus dos cristãos" não existe, por que milhares de pessoas morrem para anuncia-lo, por que pessoas "perdem" tempo de suas vidas em prol de algo inexistente? Isso são umas das questões que mais me incomodam, além do mais, Deus não exige que ninguém o adore, isso é feito de livre espontânea vontade, eu optei por não segui-lo mais, por questões pessoais, mas acredito que Ele continua me amando e estará de braços abertos para mim caso eu mude de ideia!