sábado, 23 de fevereiro de 2008

GERAÇÃO TERRESTRE


Há 450 mil anos os habitantes do planeta Nibiru chegaram ao planeta Terra, buscando minério de ouro para prolongar a vida da atmosfera do planeta deles. Nada havia na Terra, a não ser o despertar de uma vida primitiva. Árvores, animais selvagens, primatas. Os que chegaram se chamavam annunakis e tinham um relógio biológico estranho. Para eles, 3.600 anos terrestres equivaliam a um ano em seu planeta. Criaram na Terra câmaras especiais para que pudessem viver como se estivessem no calendário deles. Locais especiais na Terra foram escolhidos para que suas naves espaciais descessem sem percalços. E começaram a colher o ouro que o planeta Terra tinha em abundância.

Mas o trabalho era difícil e os annunakis que o faziam começaram a reclamar da dureza de buscar o ouro nas minas. Ocorreu um motim. Do seu planeta de origem, o chefe principal, Anu, foi obrigado a vir à Terra. Aqui já se achavam seus dois filhos Enki e Enlil. Anu tomou conhecimento do motim e viu que os homens de Nibiru estavam certos. O trabalho era difícil e duro. O que fazer? Enki, seu filho, tinha a solução.

– Façamos um Lulu! – disse ele.

Enlil não gostou da idéia.

– Queres criar uma raça igual à nossa? Isso é errado! É absurdo!

– Não! Quero criar um trabalhador para que faça o trabalho duro por nós! E já temos a espécie!– respondeu Enki.

– Que espécie? – perguntou Enlil.

– Um animal que habita este planeta. É perfeito! Se colocarmos nele nossos genes faremos dele um trabalhador. Um Lulu, para que faça todo o serviço pesado para nós.

– Você está louco? Não se pode mexer com a criação! – reclamou Enlil.

Mas Anu, apiedado dos annunakis deu licença e Enki depois de muito trabalho conseguiu criar um ente.

– É nossa imagem e semelhança! – disse – Vamos chamá-lo de Adamu.

Algum tempo depois Enki viu que Adamu estava muito solitário e resolveu criar uma companhia feminina para ele. Daí nasceu Heva. Ambos eram filhos dos extraterrestres que vieram dos confins do universo em busca de ouro para proteger a atmosfera de Nibiru. E Enki ensinou a Adamu e a Heva como deviam fazer para multiplicar a espécie.

Muitos anos se passaram para os novos seres criados. Poucos anos para seus criadores. Um espaço no planeta Terra foi montado para que a nova espécie procriasse. Esse local foi denominado Edin. Anu ficou satisfeito quando viu a criação de Enki, mas de repente seu semblante começou a ficar preocupado. Uma grande hecatombe se aproximava da Terra e eles tinham de partir para não morrer. A espécie recém-criada iria desaparecer da face do planeta. Uma grande onda viria dos pólos e cobriria de água toda a Terra, matando as espécies vivas.

Os humanos criados por Enki à imagem e semelhança dos annunakis estavam condenados. Enlil ficou satisfeito. Enfim, o que seu irmão criara, aquelas espécies geradas com os genes deles e que iam contra todas as regras de seus conceitos, seria eliminada.

– Que morram todos! - disse Enlil.

Mas Enki não deixou sua criação desaparecer. Havia um entre os humanos que era mais sábio e Enki o chamou e deu-lhe instruções para sobreviver com sua família, com alguns animais e outros conterrâneos. Ele se chamava Niusudra e foi catequizado por Enki e ganhou de presente de Enki um grande barco submersível. Nele Niusudra, seguindo conselhos de Enki, colocou pares de espécies de animais da Terra, colocou seus familiares e muitos de seus amigos.

O grande dilúvio veio furioso. Os extraterrestres fugiram da Terra em suas naves. Eles choraram ao ver a grande destruição provocada pelo dilúvio. Choraram pela morte dos terráqueos aos quais tinham em muito se apegado. Em órbita da Terra, observavam as grandes ondas de água do oceano acima de 20 metros de altura, cobrindo as planícies, chegando ao sopé dos montes, destruindo tudo que eles haviam construído.

– Tudo está consumado – disse Enlil - Não temos mais trabalhadores do ouro.

Quando as águas baixaram, os extraterrestres puderam ver de suas naves espaciais, no cimo de uma grande montanha, o enorme barco construído por Enki e entregue ao comando de Niusudra. Viram os animais aos pares saindo do barco. Viram homens e mulheres sobreviventes. E se alegraram ao extremo. Menos Enlil, que ainda considerava esse fato um atentado contra as leis naturais. Mas ele foi convencido por Enki de que precisavam desses trabalhadores para garimpar ouro de tal forma que Nibiru, o planeta deles, pudesse sobreviver. Assim os terráqueos começaram a dar seus primeiros passos, após sua criação pelos annunakis. Depois do dilúvio os annunakis permaneceram na Terra por um período de 28.800 anos, ensinando tudo que podiam ensinar aos terrestres criados por eles. Pelo seu calendário, esses 28.800 anos equivaliam a um total de oito anos terrestres. Os terrestres consideravam os annunakis imortais por causa disso. Um dia, eles partiram, mas prometeram voltar. Com a evolução da civilização dos humanos, depois da partida deles, os annunakis foram transformados em deuses. (Continuarei em próxima data)

2 comentários:

marcos disse...

muito boa a historia... quero saber mais....me manda a historia por e-mail: anjelomarkos@hotmail.com

michael disse...

paulo
nunca vi uma bobagem tão grande.

voce le a biblia e fica torcendo a historia